Um única medicamento poderia tratar ambos os casos.
Descoberta veio de testes com camundongos.

Cientistas encontraram uma enzima que, ao que parece, está envolvida na resposta do cérebro ao álcool e à nicotina. O achado gera a esperança de que a dependência das duas drogas possa vir a ser tratada com um único medicamento, no futuro.

Num estudo publicado pela revista científica “Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS)”, os pesquisadores conseguiram criar camundongos sem o gene da proteína quinase C épsilon. Comparados aos animais que tinham o gene, eles consumiram uma solução de nicotina em quantidade menor.

Além disso, mantiveram a quantidade consumida num nível estável, ao contrário do outro grupo. Isso indica que o gene está relacionado à dependência química da nicotina.

No passado, um procedimento semelhante mostrou que o mesmo gene está ligado ao alcoolismo.

“Isso pode significar que esses camundongos [os que não têm o gene] não têm o mesmo senso de recompensa da nicotina e do álcool”, afirmou Robert Messing, da Clínica e Centro de Pesquisa Ernest Gallo, ligado à Universidade da Califórnia,em São Francisco, nos EUA. O sistema de recompensa é um setor do cérebro relacionado ao vício.

Na visão do pesquisador, portanto, um medicamento que neutralizasse a ação desse gene poderia ser uma forma de tratar a dependência do álcool e do tabaco.

Do G1, em São Paulo

Related Posts with Thumbnails