Rafael Andrade/Folhapress
Beatriz Piffer, 27, que ficou quatro anos com "o amor da vida toda"
Beatriz Piffer, 27, que ficou quatro anos com “o amor da vida toda”

 

 

Quanto tempo passa entre a troca encantada de olhares e o momento que você repara nos defeitos do seu amor?

Para o senso comum, a prova de fogo vem na “crise dos sete anos”. Uma expressão popular nos Estados Unidos diz que após esse tempo, a coceirinha, a “seven year itch”, começa a incomodar o casal.

Já um psicólogo evolucionista chutaria que o prazo de validade do amor gira em torno de quatro anos -o suficiente para que o homem ajude a mulher a cuidar da criança, até que essa esteja apta a seguir por conta própria na tribo nômade.

Mas um levantamento feito em cerca de 10 mil residências nos EUA pela Universidade de Wisconsin encontrou um tempo de duração ainda menor do amor: três anos.

É o mesmo tempo apontado em estudo patrocinado pelo estúdio Warner Brothers, feito com 2.000 adultos no Reino Unido. Foram comparados casais em relações curtas (menos de três anos) e longas (mais de três). No primeiro grupo, 52% afirmaram gostar das relações sexuais. No segundo, apenas 16%.

É claro que, nesses estudos, amor e paixão foram considerados sinônimos.

“Paixão eterna só existe na ficção”, afirma o psicólogo Bernardo Jablonksi, autor de “Até Que a Vida Nos Separe: A Crise do Casamento Contemporâneo” (Ed. Agir).

“Na paixão você sofre, para de comer, não dorme. Não tem como durar muito”, afirma o autor, que já passou por diversas separações.

O psiquiatra Luiz Cuschnir, do Instituto de Psiquiatria de São Paulo, acha que as pessoas deveriam dizer “eu te amo agora”, porque dizer “eu te amo muito” dá a ideia de que o compromisso não vai acabar.

O psicólogo Aílton Amélio concorda. “Amor pode terminar em um dia, porque ele depende dos fatos para ser nutrido. É como andar de motocicleta: se parar, cai”, compara o psicólogo.

Há quatro anos, a carioca Beatriz Piffer, 27, namorava, mas conheceu um rapaz numa festa. Passaram a noite conversando, ele contou que era cineasta, ela disse que cursava filosofia.

Apesar da atração mútua, não trocaram telefones. E também não perguntaram o sobrenome um do outro.

“Fui para casa triste, pensando que nunca mais ia vê-lo. Passei os oito meses seguintes à procura dele”.

Viveu dias de detetive amadora: rememorou os detalhes da conversa, montou pastas no computador para juntar pistas até descobrir o e-mail dele. Aí forjou um encontro casual. Deu certo: começaram a namorar já no dia do reencontro.

“Eu tinha a certeza de que tinha encontrado o homem da minha vida. Ele achou que era coisa do destino”.

O namoro terminou quatro anos depois. “Ele viajava muito”, diz Beatriz.

Hoje eles ainda saem, mas para tomar café juntos.

“O amor não acabou, só a relação é que mudou. O modelo que todo mundo espera não existe.”

Editoria de Arte/Folhapress

OUTRA COISA

A atuária Luiza Ferreira, 28, de Brasília, trabalha com números, mas não sabe quantificar quanto dura o amor. Só sabe que o sentimento é passageiro. “Meus pais se separaram quando eu era pequena”, explica.

Seu namoro mais curto, lembra, durou um ano, e o mais longo, cinco.

“Tem muito casal que vive junto, mas sem amor, só pelo carinho. Com o tempo, amor vira outra coisa.”

O supervisor mecânico Fernando Vicente, 50, e a professora Sílvia, 45, estão casados há 26 anos. Dizem nunca ter passado por uma crise.

“Se ela não é minha alma gêmea, é a mais próxima disso”, diz Vicente. Mais da metade dos amigos deles já se separaram, acrescenta.

MONOGAMIA SERIADA

O cineasta Roberto Moreira, 50, diz que o amor pode ser eterno, “mas a probabilidade é pequena.”

Para ele, relacionamento que dure mais de dez anos é um “sucesso”.

Moreira lançou em 2009 o filme “Quanto Dura o Amor?”, que narra a busca melancólica de uma atriz, uma advogada e um escritor por um amor que dure.

“Talvez o melhor título fosse ‘Quanto Dura a Paixão?’, porque o amor só vem quando o outro deixa de ser uma projeção sua”, afirma.

No filme, os amores são tão efêmeros quanto as relações na cidade. “O final é pessimista, mas mostra que muitas pessoas podem crescer com o amor”, diz Moreira.

Professora de ciência política da Universidade Federal de Minas Gerais e autora de “Reinvenções do Vínculo Amoroso” (Ed. UFMG), Marlise Matos não despreza a dimensão biológica –e mais efêmera– do amor. Mas se concentra na dimensão que é pura construção social. “O amor pós-moderno é a possibilidade de dissolução.”

O psicanalista Francisco Daudt, colunista da Folha, diz que vivemos um tempo de “monogamia seriada”.

“É poligamia disfarçada. Cumprimos o papel de polígamos, mas com uma pessoa de cada vez.”

Ele tem perguntado a seus pacientes se se imaginam casados com a mesma pessoa daqui a 20 anos.

“A negativa é frequente. Estamos menos hipócritas.”

FOLHA ONLINE

Related Posts with Thumbnails