Templo Celestial (Tiantan) em Pequim, China
O visitante que circula pela Cidade Proibida, em Pequim, não tem como se surpreender com o estado de seus palácios, construídos principalmente no século 16.

Veja galeria de fotografias sobre a China
Saiba como viajar de forma independente pela China
China cinematográfica contrasta com imagem de crescimento

A pintura impecável e telhas e pedras sem uma lasca fazem o turista se admirar com o cuidado chinês. O problema é que pouca coisa centenária sobrou na construção, que passa por reformas gerais a cada década.

O conceito de patrimônio histórico lá é diferente do ocidental. Um calçadão comercial perto da praça da Paz Celestial, popular desde 1700, foi renovado há três anos.

Pedro Carrilho/Folhapress
Imagem de Mao Tsé-Tung no Portao da Paz Celestial
Imagem de Mao Tsé-Tung no Portao da Paz Celestial

Prefeitura e empreiteiras demoliram os antigos palacetes carcomidos e restaurantes e reconstruíram, novinhos em folha, a rua comercial. Até as cores mudaram. A réplica substituiu o original.

Só houve gritaria de alguns poucos abnegados intelectuais chineses e de muitos estrangeiros. “Chinês gosta de modernidade, não gosta de prédio velho”, disse, então, a responsável pela obra.

Se o turismo de massas realmente adultera tudo que vê e fotografa, imagine o impacto do mercado doméstico chinês, 600 milhões de turistas/ano que circulam pelo país atrás de monumentos e paraísos naturais. Boa parte deles, embarcando em sua primeira longa viagem.

Conhecer a China tradicional, aquela vista em filmes como “O Último Imperador” ou “O Tigre e o Dragão”, requer pressa. Não se sabe o que vai sobreviver nos próximos anos à fúria modernizadora do Partido Comunista.

Pedro Carrilho/Folhapress
Templo Celestial (Tiantan) em Pequim, China
Templo Celestial (Tiantan) em Pequim, China

Pingyao (fala-se pin/ nhau), pequena cidade no norte do país, é uma boa introdução à China tradicional. Na cidade foi rodado o drama “Lanternas Vermelhas”, do cineasta Zhang Yimou.

A fábula feminista da concubina que se revolta com o marido que se divide entre quatro mulheres tem como cenário a bela arquitetura dos nobres que viviam nessa antiga capital onde as moedas eram cunhadas.

As ruas de pedra, aonde não passa carro, e as belas pousadas restauradas, até dissimulam a onipresença de camelôs e as armadilhas para turistas.

Na Província de Yunnan, na fronteira com Vietnã e Mianmar, floresta tropical, mosteiros budistas e minorias étnicas desenham a região mais diversa do país.

Em Hangzhou, jardins fluviais e canais que encantaram o veneziano Marco Polo convivem com arranha-céus e muito trânsito. Como boa parte das novelas históricas chinesas é rodada lá, a preservação tem selo estatal.

Mesmo em Pequim, onde a modernidade captura a atenção em milhares de arranha-céus e prédios assinados pelos arquitetos mais famosos do mundo, ainda há pequenos trechos da China antiga.

Mas o cenário é mutante. Ao lado das torres do Sino e do Tambor, com mais de 600 anos, uma centenária área residencial deu lugar a lojinhas modernas.

 

RAUL JUSTE LORES
EDITOR DE MERCADO

Related Posts with Thumbnails