Um novo dispositivo pretende permitir que portadores de deficiência enviem comandos a equipamentos apenas com o pensamento.

É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem. Eduardo Anizelli/Folhapress – Observado pelo professor Marco Meggiolaro, o engenheiro Alexandre Ormiga demonstra a interface cérebro-máquina

Trata-se de um leitor de movimentos desenvolvido no Centro Técnico Científico da PUC-Rio.

Batizado de interface cérebro-máquina, o aparelho acaba de ser apresentado em um encontro internacional de tecnologia e inovação para pessoas com deficiência, realizado em São Paulo.

O dispositivo não requer cirurgia para ser implantado: consiste em uma touca com eletrodos conectados a uma eletroencefalografia que consegue captar e interpretar pensamentos da pessoa a partir de sinais enviados.

O equipamento lê basicamente os movimentos dos braços, dos pés e da língua do usuário. A ideia é que possa ser aplicado ao comando de próteses e cadeiras de rodas automatizadas ou usado em hospitais, para facilitar a comunicação entre o paciente e a equipe de médicos e enfermeiros.

PRECISA E BARATA

Segundo os responsáveis pelo desenvolvimento da interface, ela tem melhor desempenho, é mais precisa, menor e mais barata que seus similares.

O protótipo atende os comandos em até  três segundos. Nos mais de mil testes realizados, a interface apresentou uma taxa de falhas nos comandos solicitados de apenas 1,25%.

“A grande vantagem é o alto desempenho a um custo mais baixo”, diz Marco Antonio Meggiolaro, coordenador do laboratório de Robótica da CTC/PUC-Rio.

O protótipo foi apresentado em maio no maior congresso de robótica do mundo, no Alasca. Não há aplicação a curto prazo.

Folha Online

Related Posts with Thumbnails