Destruição da biodiversidade global gera prejuízo de até R$ 8 trilhões (Foto: Jiji Press via AFP 18-10-2010)

Anúncio da ministra do Meio Ambiente foi feito na COP 10, em Nagoya.
Custo global da perda de biodiversidade é de R$ 3,6 trilhões a R$ 8,2 tri.

A ministra brasileira do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, afirmou nesta segunda-feira (25), durante a Conferência das Partes sobre Biodiversidade (COP 10), em Nagoya, no Japão, que o Brasil está preparando um relatório sobre o valor dos ecossistemas e da biodiversidade. O objetivo é que o documento sirva como referência para futuras decisões políticas e para o desenvolvimento de uma economia sustentável. “É importante conciliar estratégias de desenvolvimento e manutenção da biodiversidade”, disse a ministra, segundo informações divulgadas pelo ministério.

O relatório brasileiro terá como referência o estudo “A Economia dos Ecossistemas e Biodiversidade” (Teeb, na sigla em inglês), produzido pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e lançado durante a COP 10. O estudo internacional apontou o valor econômico de florestas, água, solo, animais, entre outros, bem como os custos ocasionados pela perda desses recursos. Segundo o Teeb, o custo anual da perda da biodiversidade fica entre US$ 2 trilhões e US$ 4,5 trilhões (R$ 3,6 trilhões e R$ 8,2 trilhões).

Segundo informações do Ministério do Meio Ambiente, a intenção é que os dados do Teeb Brasil sejam incorporados por políticas públicas, empresas privadas, setor produtivo e governos ao tomar decisões sobre agricultura, segurança alimentar, segurança energética e exploração de recursos naturais, como o pré-sal. “Este será o grande desafio deste século. A base de tudo deve ser a sustentabilidade. Creio que o relatório possa contribuir para associar todos estes temas nas discussões dos tomadores de decisão”, disse Izabella.

A ministra disse ainda que o Teeb Brasil já está sendo preparado, e que os requerimentos para a adoção destas estratégias no País estão em fase de análise. “Agora nós estamos preparando os termos de referência para finalizar a negociação. Depois que forem estabelecidos os compromissos da COP 10, pretendemos desenvolver uma nova estratégia nacional baseada no Teeb como referência de uma nova economia sustentável”, afirmou.

Agencia Estado

Related Posts with Thumbnails