Editoria de Arte/Folhapress

Cientistas da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) desenvolveram um método para regenerar o pulmão de pacientes com asma –doença respiratória que mata oito brasileiros por dia– usando células-tronco obtidas da medula óssea.

O anúncio dos testes clínicos da abordagem foi feito na 25ª reunião anual da Fesbe (Federação de Sociedades de Biologia Experimental), em Águas de Lindoia (SP).

A técnica foi testada com sucesso em camundongos, e as primeiras experiências com pacientes devem começar daqui a poucos meses.

O projeto aguarda apenas a liberação do Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa), órgão do governo federal que autoriza pesquisas com humanos no país.

“A asma é uma doença relativamente comum e, por isso, costuma ser subestimada. Infelizmente, ela ainda é causa de muitas mortes”, afirmou Patrícia Rocco, médica e professora do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, da UFRJ.

RECONSTRUÇÃO

Uma das características dos casos de asma grave é a diminuição das células mucosas e ciliadas do pulmão, o que contribui para a redução da capacidade respiratória.

As células-tronco do teste –injetadas no pulmão por meio da traqueia– conseguiram reconstruir com sucesso essas células.

Aparentemente, tais células-tronco tanto podem produzir substâncias que facilitam essa regeneração quanto, em alguns casos, assumir o papel das células que tinham sumido.

O método também aumentou a capacidade de resistência dos roedores testados, mesmo em situações em que as cobaias foram expostas a substâncias que fazem as vias respiratórias fecharem.

O mesmo grupo de cientistas já  tinha conseguido reconstruir o tecido pulmonar em outras doenças: o enfisema e a síndrome do desconforto respiratório agudo.

As pesquisas com a silicose -inflamação pulmonar causada pela inalação de pó de sílica- estão num estágio mais avançado e já demonstraram os primeiros resultados em seres humanos.

Os testes brasileiros, os primeiros a usar esse tipo de terapia contra a doença, começaram no ano passado. Todos os cinco pacientes tiveram melhora significativa na capacidade respiratória.

ESTEIRA

Na avaliação da caminhada na esteira, todos os voluntários conseguiram melhorar o seu desempenho.

“Os tratamentos funcionaram muito bem, mas, pelo número pequeno de pessoas, ainda não temos a comprovação estatística. Estamos confiantes e achamos que isso virá em breve”, disse Marcelo Morales, da UFRJ, um dos responsáveis pela coordenação do estudo.

Apesar das respostas positivas, os pesquisadores dizem que a terapia não deve chegar ao público em menos de cinco anos.

“Estamos sendo muito cuidadosos e avaliando as implicações do tratamento em todo o corpo, e não apenas no pulmão. Queremos ter certeza absoluta antes de avançar”, afirmou Morales

Folha Online

Related Posts with Thumbnails