O corpo humano possui aproximadamente 160 bursas separando os ossos dos músculos (bursas profundas) ou da pele e tendões (bursas superficiais)".

O corpo humano possui aproximadamente 160 bursas separando os ossos dos músculos (bursas profundas) ou da pele e tendões (bursas superficiais)".

Sabe aquela dor incômoda nos braços, nos ombros conhecidas como tendinite e bursite?

Braços e ombros em boa forma! É o que o Paulo Cunha, cabeleireiro, mais precisa para trabalhar. “Na hora do corte e na hora da escova a gente trabalha com o braço levantado”.

Rotina que trouxe prejuízos para outra cabeleireira, Socorro Batista. “No final do dia o braço já está bem cansado e, no dia seguinte, dolorido. Fui ao médico e ele falou que é tendinite”.

É a doença mais comum dos ombros: eles são formados por ligamentos e tendões, que sofrem pressão sempre que os braços ficam afastados do corpo, como no caso dos cabeleireiros e de quem usa o computador sem os braços apoiados.

O ortopedista, Aurélio Leitão, explica porque ocorre a tendinite. “O braço afastado do corpo, do tronco… Isso, repetidamente, várias horas nessa mesma posição, vai levar que haja uma sobrecarga sobre o tendão tanto por atrito como pelo uso excessivo do tendão para manter o braço nessa posição”.

As dores nos ombros também podem ser um sinal de bursite: a inflamação nesta bolsa que fica entre o músculo e o tendão. E não é só a má postura que gera problemas nas articulações. Segundo o ortopedista, a partir dos 40, 50 anos, o espaço entre os ossos do ombro diminui aumentando o atrito com o tendão que fica mais vulnerável à inflamação.

Tanto as dores crônicas causadas por má postura quanto aquelas naturais da idade têm como tratamento, geralmente, o uso de analgésicos e antiinflamatórios e a fisioterapia. Só nos casos em que o tratamento não resolve a cirurgia é necessária.

Fernando Antônio Sabóia, professor, se recupera das sequelas causadas pelas dez horas diárias em frente ao computador. Com fisioterapia e correção de postura, está tirando um peso dos ombros. “Já tem uma melhora considerável. Já estou dirigindo, não conseguia nem passar a marcha do carro direito, mas já estou trabalhando. Já sinto muito menos a dor no ombro”.

Related Posts with Thumbnails